Páginas

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Puppy


cinco meses e cinco dias estavam juntos. Não a deixava dormir, atrapalhava seu banho e rosnava para qualquer garoto que tentasse se aproximar, mas a fazia sorrir. Algumas vezes ele a machucava ou/e irritava com suas brincadeiras de morder, pular em cima, correr atrás e ela gritava, mas, ao vê-lo baixar as orelhinhas pretas e ir para o cantinho da cama, seu coração amolecia. E assim ele conseguia um brinquedo novo e horas de chamego.
Puppy estava com ela a cinco meses e cinco dias, e mesmo não conseguindo explicar, mesmo ele aprontando muito, ela sabia que o amava e que lá no fundo queria ficar com ele para sempre. Ou por muito, muito tempo.


Pamela.

26 de outubro de 2010

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

21 de Outubro

Alguns dias são mais dificeis
Nesses dias eu penso que deveria
Amar menos você, não te querer.

Mas não conseguiria...
Mas não queria...
Mas não pensaria em alguém
Que não fosse você.

Porque você é a única pessoa
Que eu quero comigo todo dia
Porque você é a única pessoa
Pra mim
Porque você é a única pessoa
Que eu quero dormir e acordar
Porque você é a única pessoa
Pra mim.
Assim. Aqui. Pra mim.

Pamela.

sábado, 16 de outubro de 2010

E tudo acabou



Eu nunca imaginei que estávamos tão próximos do fim.

Do nosso fim.

Estávamos bem, ou pelo menos eu acreditava nisso. Brigávamos por bobagens, é verdade, mas depois tudo estava bem. Pra mim, ele estaria ali sempre comigo, como eu estava. Pra mim, ele não era apenas um namorado (o que é tão fácil conseguir) ele era amigo, confidente. Nós nos divertíamos com as coisas mais bobas. Como ficar um jogando água do mar no outro, ou tirar fotos no celular, ou ficar até altas horas conversando sobre o que achava dele e rindo das caras que ele fazia, ou passar duas horas me ensinando a jogar xadrez. Ele me arrancava sorrisos, suspiros e olhares fascinados. Estávamos bem, até eu perceber que a ultima semana foi apenas de mentiras, dirigidas a mim. E tudo acabou.

Talvez essa dor que sinto agora seja por não ter me preparado para isso. Mas como iria me preparar? Ninguém nunca imagina que está tão próximo do fim.

Pamela.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

4 de outubro.


Duas coisas antes de começar: Ela gostava de me surpreender e era maluca.

(...)

- Vamos viajar?! – Ela gritou, sorrindo, assim que eu entrei em casa. Estava feliz e eufórica. Seus olhos brilhavam. Ela realmente queria aquilo e me contagiou.
- Vamos, vamos sim! – Respondi a abraçando e girando no ar, enquanto ela ria, gargalhava.
Imaginei que ela iria querer viajar no ano novo, ou no natal, mas estava enganado, claro.
– Ótimo! Ótimo! Arrumamos as nossas malas agora e vamos. Já verifiquei minha poupança, tenho muito dinheiro! - Demorei a compreender, ela falava muito rápido e me beijava por todo o rosto.
- Mas... E o nosso trabalho?
- Férias! Férias! Podemos pedi... Você sabe, nunca tivemos mesmo. – Comecei a rir. A alegria dela era contagiante.
- E para onde vamos, meu amor? – Ela sorriu.
- Não sei ainda... Pegaremos o primeiro trem para qualquer lugar.